sexta-feira, 23 de maio de 2008

SUPOSTO DESERTO

Que faustos são estes? Neste pensamento.
Parece-me diferente este sentimento
que conheço há muito.
Será defeito ou o amor que sinto?

Será os restos dos gritos que desperto?
Auto de tanto sofrimento possuir um rosto,
de não me ter morto de desgosto
num simples gesto.

Não sei do que sou feito?
Que por acto de afecto: fico desfeito.
Eu não quero saber do resto!
Só do teu rosto,

do teu cabelo ao vento
das tuas palavras num grito,
das lágrimas que conquisto
de um novo nascimento.

Márcio Freitas
ANA
Editorial Minerva

2 comentários:

blueminerva disse...

Estive quase uma hora a visionar os mails. Alguns são hilariantes.
Obrigada. Um abraço

MARNUNEFREI disse...

More on its way…